Carregando...
    • Fachada
    • Recepção
    • Interior
    • Sala 01
    • Sala 02

    Dúvidas mais comuns

    TRANSPLANTE DE CÓRNEA
    é uma operação em que o tecido corneano alterado é removido e substituído por tecido corneano normal do doador.
    A ceratoplastia pode ser feita substituindo apenas a parte da espessura corneana comprometida (ceratoplastia lamelar) ou toda a espessura corneana (ceratoplastia penetrante). O transplante pode ser realizado para dar suporte estrutural à córnea (ceratoplastia tectônica), por razão estética ou para melhorar a visão (ceratoplastia óptica).QUEM PODE SE BENEFICIAR COM O TRANSPLANTE DE CÓRNEA?
    Somente aquelas pessoas que tenham alteração na córnea. A córnea (veja o artigo Banco de Olhos do Espírito Santo II) é uma estrutura do olho que fica na frente da íris (tecido que dá cor ao olho). É a principal lente do olho, é transparente e não tem vasos sangüíneos. É grosseiramente comparada ao vidro de um relógio.QUE ALTERAÇÕES CORNEANAS SÃO ESTAS?
    Ceratocone, opacidade corneana central pós-queimadura química, pós-infecção (úlcera de córnea), edema de córnea pós-cirurgia de catarata ou de aparecimento espontâneo ou até mesmo congênito. Há também muitos tipos de distrofias corneanas (alterações hereditárias) que podem alterar muito a visão.

    EM RESUMO
    qualquer alteração que cause alguma opacidade (turvamento) da córnea, geralmente pode ser tratada com o transplante de córnea.

    CERATOCONE
    é uma condição em que a córnea fica muito abaulada, principalmente na parte central e a visão cai muito.

    Quando o ceratocone não está muito avançado, a visão pode melhorar muito com uso de óculos ou de lente de contato. Geralmente o ceratocone ocorre bilateralmente e evolui muito lentamente, ou seja, piora com o passar do tempo. As pessoas que possuem ceratocone não devem ficar apreensivas, pois geralmente são obtidos bons resultados com os vários tipos de abordagens. Quando muito avançado, pode haver necessidade de transplante de córnea e o resultado é geralmente muito bom. Veja ilustração seguinte. Ceratocone Pós-transplante de córnea (da figura ao lado).

    O ceratocone geralmente não causa perfuração de córnea. O ceratocone pode ser congênito, mas geralmente aparece na puberdade ou um pouco mais tarde. É duas vezes mais comum nas mulheres do que nos homens. Ele pode estar associado com ceratoconjuntivite primaveril, síndrome de Down (antigamente conhecida como mongolismo), síndrome de Marfan, hipotireoidismo e outras alterações.

    É sabido que o ato de coçar os olhos pode trazer muitos efeitos indesejáveis, como por exemplo, aumentar a sensação de prurido (coceira), causar conjuntivite, além de piorar muito o ceratocone preexistente.

    OPACIDADE DE CÓRNEA
    sem vascularização ou com pouca vascularização tem resultado muito bom com transplante de córnea. Se a opacidade for congênita, ou seja, se o bebê já nasce com opacidade de córnea, ele precisa ser transplantado antes de 3 meses de idade, se a opacidade for muito intensa. O sistema visual se desenvolve desde o nascimento até 7 anos, mas os 3 primeiros meses é extremamente importante no desenvolvimento visual. Neste período, não deve haver nada que impeça a chegada da luz até a retina.

    ÚLCERA DE CÓRNEA PERFURADA
    Neste caso pode haver necessidade de transplante em caráter de urgência, mas sempre que puder tratar o processo infeccioso antes da cirurgia, é melhor.

    EDEMA DE CÓRNEA
    a córnea tem 5 camadas. A camada mais interna constituída de células está constantemente retirando líquido da córnea. Quando esta camada interna fica com poucas células, a córnea torna-se edemaciada e necessita ser transplantada para melhorar a visão.

    RESULTADO VISUAL PÓS-OPERATÓRIO
    geralmente a visão melhora logo no dia seguinte com potencial de melhora posteriormente, mas o acompanhamento médico é longo.

    A CICATRIZAÇÃO
    completa da ferida leva entre 6 e 12 meses. A sutura da córnea doadora na córnea receptora pode ser interrompida (pontos separados), contínua ou combinada. Veja ilustração seguinte. A sutura interrompida e B sutura contínua.

    A RETIRADA DOS PONTOS
    pode ser iniciada com 3 a 6 meses e se extender até um ano ou mais. Se houver pontos frouxos, eles têm de ser retirados rapidamente, por causa do risco de rejeição.

    O RISCO DE REJEIÇÃO
    existe a vida inteira, mas há tratamento clínico, quanto antes tratar melhor. As córneas patológicas que têm muitos vasos sangüíneos têm maior risco de rejeição. Crianças também têm maior risco de rejeição do que os adultos.

    TRANSPLANTE DE CÓRNEA É UMA CIRURGIA COMO OUTRA QUALQUER.

    O QUE FAZ A DIFERENÇA É A OBTENÇÃO DA CÓRNEA QUE SÓ PODE SER DOADA COM MUITO AMOR!